Entenda as diferenças entre trabalho intermitente, temporário e jornada parcial

16/01/2018

Entenda as diferenças entre trabalho intermitente, temporário e jornada parcial

Entenda as diferenças entre trabalho intermitente, temporário e jornada parcial
A reforma trabalhista, em vigor desde 11 de novembro de 2017, criou novas modalidades de contratação. Uma das principais mudanças é a previsão do trabalho intermitente, que aplica a prestação de serviço sem uma jornada definida. O modelo é diferente de outros já previstos na legislação, como o contrato temporário e o contrato parcial.

Entenda as diferenças >>

Contrato intermitente
Esse tipo de contrato, antes inexistente, é por tempo indeterminado e sem definição da jornada de trabalho. A convocação para o trabalho deve ser feita com até três dias de antecedência. Essa modalidade se destina àqueles empresários que necessitam de mão de obra temporária e esporádica. Um exemplo são as empresas de eventos, que precisam de mais pessoas nos dias em que o trabalho ocorre. Vale ressaltar que, ao ser dispensado das suas funções, o profissional tem direito ao seguro-desemprego.


Contrato temporário
Já existe. Foi alterado recentemente pela Lei da Terceirização. O tempo máximo de contratação passou de três meses para 180 dias, consecutivos ou não. E pode haver uma prorrogação por mais 90 dias totalizando 270 dias. Aplica-se nos casos de demanda extraordinária de serviço ou substituição temporária de mão de obra, com jornada pré-definida.

Contrato parcial
Aqui, falamos também de uma modalidade de contratação que já estava prevista pela legislação antiga. A jornada parcial, até então, se aplicada apenas a contratos cuja jornada de trabalho fosse de, no máximo, 25 horas semanais. Com a Reforma Trabalhista, o teto passou para 30 horas semanais.
Caso o empregador opte por oferecer uma jornada de trabalho de 30 horas semanais, não será permitido ao empregado fazer horas extras. Outra solução é fixar uma jornada de 26 horas, o que dá direito a 6 horas extras semanais. O contrato, neste caso, é por tempo indeterminado e o trabalhador tem direito ao seguro-desemprego em caso de demissão.

Revista Época Negócios
Fonte: advogado Luiz Marcelo Góis, sócio da área trabalhista do escritório BMA)

Contrato intermitente
contrato temporario
contrato parcial
diferenças

relmateria

Terceirização profissional

Leia mais
relmateria

Organização Internacional do Trabalho pede revisão da reforma trabalhista

Leia mais
relmateria

Estagnação profissional

Leia mais